Curiosidades
06.mar.2018
Tamanho da Fonte: A- | A | A+

Especial Dia Internacional da Mulher - Engenheira

"A mulher é mais detalhista", conta Natália Arneiro

Imagem Especial Dia Internacional da Mulher - Engenheira
Logo Copiar Blog Notícia
"Ser mulher me ajudou a conquistar este espaço na minha profissão. Tive que escolher o tipo de mulher que eu gostaria de ser. Podia ser uma "princesa" Ou podia ser a "guerreira". Escolhi ser ´guerreira´", conta a engenheira civil da Construtora MBigucci, Natália Arneiro, de 28 anos.

E cada vez mais, as mulheres se mostram competentes e determinadas a alcançar os seus objetivos. Com isso, assumem posições de responsabilidade e se destacam em todos os setores do mercado, inclusive no ramo imobiliário.

Natália começou na MBigucci, há 9 anos, como estagiária e hoje comanda uma obra inteira, praticamente só com colaboradores homens. Recentemente, ela comandou a obra Marco Zero MBigucci, com mais de 500 colaboradores homens. 

No bate-papo com o Grupo SP Imóvel, a engenheira conta que todos os dias precisa provar que é capaz de atuar na área e se interessa por obra. Confira a entrevista completa.

SP Imóvel - Como é atuar na Engenharia por ser mulher?

Natália Arneiro - Atuar na engenharia me fez crescer muito. Por incrível que pareça, no meu caso, ser mulher me ajudou a conquistar este espaço. Eu, por ser mulher, podia escolher qualquer caminho sem ter toda essa pressão. Tive que escolher o tipo de mulher que eu gostaria de ser. Podia ser uma "princesa" Ou podia ser a "guerreira". Escolhi ser "guerreira". 

SP Imóvel - Como é comandar uma obra inteira de homens?

NA - No começou ficava muito insegura, por ser mulher e mais nova. Então, não era tão respeitada. Mas com o tempo, ganhei a confiança de todos. 

SP Imóvel - Quais os principais desafios da mulher nessa área?


NA - Os desafios já começam na formação, existe um grande número pessoas  no curso e todos têm grandes dificuldades no aprendizado de disciplinas de exatas (acredito que as mulheres são mais dedicadas, e acabam se dando melhor). Outro desafio é lidar com toda equipe de obra (homens) e dos processos de uma construção. Sendo que o engenheiro precisa lidar com muitas pressões. 

SP Imóvel - Por que escolheu essa profissão?        

NA - A decisão  do curso de engenharia civil foi pela preferência dos números já na escola. Realmente, gosto de ciências exatas e de muitos desafios. 

SP Imóvel - Ser mulher diferenciou ou mudou algo?

NA
- A mulher é mais detalhista. Sempre acaba fazendo Check List de tudo, por exemplo. Temos aquela visão: e se eu morasse aqui, como seria? O que eu gostaria? O que facilitaria minha vida? Isso eu levo para a obra.

SP Imóvel - Em muitas áreas, a Mulher tem que provar todos os dias que são inteligentes e capazes de exercer certas funções. Na sua área também é assim? Você passou por isso?

NA
- No meu caso tenho que provar que sei e me interesso por obra, sendo que os funcionários têm a experiência e eu o estudo. 

SP Imóvel - Já sofreu algum preconceito por ser mulher e trabalhar em uma área considerada de "homens"?

NA -
No começo tive muita dificuldade em lidar com os funcionários da obra (pedreiro, carpinteiro...) por ser mulher. Sinto que a maioria das pessoas não conhece o curso de Engenharia. Quando  dizem que engenheiro civil é aquele que constrói casas (é construída por homens manualmente). Acredito que por isso a profissão é pouco aceita pelas mulheres.

Fonte:
SP Imóvel
O Portal de Imóvel em São Paulo de São Paulo
www.spimovel.com.br/
Equipe de Jornalismo
Grupo de Portais Imobiliários
SP Imóvel
< Post Anterior
Especial Dia Internacional da Mulher - Poder de Compra
Próximo Post >
Especial Dia Internacional da Mulher - Arquiteta de sucesso