Financiamento
Atualizado em: 06.ago.2021
Tamanho da Fonte: A- | A | A+

O que é Custo Efetivo Total no Financiamento Imobiliário?

É imprescindível entender a importância do CET na hora de financiar um imóvel

Imagem O que é Custo Efetivo Total no Financiamento Imobiliário?
Logo Copiar Blog Notícia

Comprar um apartamento ou uma casa é um investimento de longo prazo e que na maioria dos casos, às pessoas adquirirem imóveis através do financiamento imobiliário. E isso significa que comprometerá boa parte do orçamento mensal da família, por isso é preciso planejar e estudar quais os bancos têm as melhores taxas do crédito imobiliário.

Ao financiar um imóvel significa que você vai comprometer pelo menos 30% da renda mensal da família por um longo período. E isso, pode levar em média de 30 a 35 anos para quitar o saldo devedor.

E na hora de financiar um imóvel, normalmente, as pessoas avaliam apenas as taxas de juros oferecidas pelos bancos, porém, esse pode ser o maior erro. Pois, nem sempre com a taxa de juros mais baixa, o financiamento ficará mais barato, pois pode ser que as taxas de administração, tarifa de contratação/documentação e seguros envolvidos são mais caros. 

A parcela do Financiamento Imobiliário é composta pelas taxas de: amortização, juros, tarifa de administração mensal e de Seguro. Sendo assim, além de comparar os juros praticados no mercado, é importante também comparar o CET – Custo Efetivo Total de cada simulação.

O Banco Central, por meio da Resolução 3.517 do Conselho Monetário Nacional, entrou em vigência em 03/03/2008, alterada pela Resolução 3.909, e recentemente consolidada pela Resolução CMN 4.881, criou o CET para dar maior transparência às operações de crédito, como empréstimos e financiamentos.

Ou seja, o CET é uma ferramenta para facilitar o comprador na hora de analisar as opções de crédito disponíveis pelos bancos

Por exemplo, você precisa de um empréstimo para financiar um imóvel e procura o Banco A e o Banco B. 

Banco A oferece uma taxa de juros de 6% ao ano e o Banco B oferece uma taxa de juros de 7% ao ano. Parece que a oferta do Banco A é mais interessante, né?

 

 

Mas ao analisar as propostas você vai perceber que o CET do Banco A é 10% a ano, já o CET do Banco B é 9% ao ano. Ou seja, a proposta do Banco A que parecia mais interessante pagando um taxa menor você vai pagar mais no final. 

E sabe por quê? 

Porque provavelmente no banco A tinha outras taxas de despesas mais caras que o Banco B, dando um custo efetivo total maior. Esses custos variam muito de um banco para outro. E o CET unifica isso tudo para ficar mais fácil para comparar

Para entender melhor, o Blog do SP Imóvel realizou uma simulação do financiamento nos sites das instituições bancárias para um imóvel residencial, localizado na cidade de São Paulo, com dados de uma pessoa de 44 anos e com uma renda de R$ 12.000, empresário ou funcionário privado (CLT).  

 

Compra de Imóvel Usado em São Paulo de R$ 400 mil
Entrada de R$ 80 mil (20%)
Financiado por 360 meses (30 anos)
Sistema de Amortização: SAC
Correção anual pela TR (Tabela Referencial)
Bancos Taxa de
Juros Efetiva 
a.a.
CET
Custo
Efetivo Total
a.a.
1ª  Parcela Última
Parcela
Total do Financ.
Bradesco -
TR
7,80% 9,13% R$
3.046,17
R$ 919,07 R$
759.992,36
Bradesco
Poupança+
6,67% 8,02% R$
2.763,52
R$ 918,28 R$
708.974,89
Itaú -
TR
7,80%  9,25% R$
3.067,70
R$ 919,47 R$
779.403,73
Itaú
(Juros Poupança + Taxa Fixa)
7.13% 8,60% R$
2.899,19
R$ 919,00 R$
748.987,86
Banco do Brasil -
TR
7,69% 8,62%  R$
3.037,85
R$ 922,71 R$
729.261,28
Santander -
TR
7,99% 8,92% R$
3.117,93
R$ 919,20 R$
730.484,55
Caixa - TR
+ Taxa de Juros
7,80% 9,19%  R$
3.054,15
R$ 919,47 R$
764.301,56
Caixa - Poupança 7,62% 9,02% R$
2.964,58
R$ 905,43 R$
744.0975,60
Caixa - IPCA
+ Taxa de Juros
4,75% 7,86%  R$
2.310,49
R$ 917,32 R$
634.641,91
Caixa - Taxa
de Juros Fixa
9,50% 11% R$
3.499,88
R$
920,63
R$
849.325,99
Simulações realizadas em 06/08/2021  

 

Observação: A simulação acima não possui a composição de renda e não estão inclusas despesas com documentação, como, por exemplo, o ITBI.

 

Portanto, toda vez que você analisar uma simulação de financiamento imobiliário é interessante olhar o valor final da parcela e o custo efetivo total, pois pode ter uma variação de seguro de um banco para o outro e até mesmo de uma seguradora para outra.

Comprar um apartamento ou uma casa é um investimento de longo prazo e isso significa que comprometerá boa parte do orçamento mensal da família, por isso é preciso planejar e estudar quais os bancos têm as melhores taxas do crédito imobiliário.

Por isso, é muito importante realizar simulações do financiamento imobiliário nos sites dos principais bancos, assim é possível ver quais instituições oferecem as melhores taxas do crédito imobiliário de acordo com o seu perfil. Nessas simulações é possível ter uma previsão das taxas de juros, seguros, amortização e dos valores das parcelas mensalmente. 

Uma taxa de juros mais alta será o suficiente para aumentar o valor da prestação e consequentemente o montante final que você terá de pagar. O nível de relacionamento do cliente com o banco interferirá na cota e taxa de juros da contratação do crédito imobiliário. Ou seja, é importante consultar mais de uma instituição bancária e avaliar as melhores alternativas de financiamento. Veja em nosso Blog: Qual é o melhor banco para Financiamento Imobiliário?

Atualmente, as instituições financeiras disponibilizam diversas linhas de crédito com taxas de juros e condições de pagamentos diferenciados. Portanto, veja qual é o melhor índice que se enquadra nas suas condições financeiras. Confira em nosso Blog: Qual é o melhor índice no financiamento imobiliário: TR, Poupança ou IPCA?

 

Fonte:
SP Imóvel
O Portal de Imóvel em São Paulo de São Paulo
www.spimovel.com.br/
Equipe de Jornalismo
Grupo de Portais Imobiliários
SP Imóvel
< Post Anterior
Restaurantes Japoneses na Zona Leste: saiba quais são os melhores
Próximo Post >
Conheça os melhores Parques do Grande ABC