Curiosidades
15.fev.2019
Tamanho da Fonte: A- | A | A+

Reparo em imóvel alugado: quem deve pagar? Inquilino ou Proprietário?

Veja o que fala a Lei do Inquilinato

Imagem Reparo em imóvel alugado: quem deve pagar? Inquilino ou Proprietário?
Logo Copiar Blog Notícia

Todo defeito estrutural ou anteriores à locação ficará por conta do proprietário (locador), segundo dispõe o artigo 22, inciso IV da Lei do Inquilinato 8.245. Por isso, é muito importante realizar uma boa vistoria antes do recebimento das chaves e caso o inquilino (locatário) encontre um defeito oculto (vícios), avise o mais rápido possível o proprietário (locador) ou a administradora do imóvel.

Por exemplo,  o inquilino descobriu que existe um grande vazamento de água ou um grande entupimento no esgoto e após ter notificado o proprietário (locador) ou a administradora do imóvel e o problema não solucionado de forma amigável, aconselha-se procurar um advogado ou tentar entrar em um acordo para devolver o imóvel, podendo inclusive, solicitar uma indenização pelo custo da mudança para outro imóvel.

 O artigo 23, inciso III da Lei do Inquilinato 8.245, dispõe ainda que as “deteriorações decorrentes de uso normal” não são de responsabilidade do inquilino, ou seja, se um dano ocorreu, é preciso avaliar se a causa foi pelo tempo de uso normal ou se foi provocado pelo mau uso do inquilino.

Vejam alguns exemplos:

Exemplo 1, após um ano de uso do imóvel alugado, o portão de ferro com 20 anos quebrou em um local que já estava enferrujado, encoberto pela tinta relativamente nova. Nesse caso, entende-se que o proprietário é responsável pelo conserto, tendo em vista que o portão é muito antigo e não foi culpa do inquilino o defeito apresentado.

Exemplo 2: O inquilino encostou o carro no portão e quebrou uma das dobradiças. Nesse caso, mesmo a peça sendo antiga, entende-se que o dano causado foi do inquilino, tendo ele que arcar com a reforma. Conforme consta no Art. 23, inciso V, da Lei 8.245.

Exemplo 3: Choveu forte e o vento destelhou um pedaço da casa e infelizmente ainda causou danos, através de goteiras, em um armário do inquilino. Nesse caso, entende-se que foi uma questão atípica, causado por “caso fortuito”, ou seja, não foi culpa do proprietário ou do inquilino e muitas vezes constam em contrato a isenção do proprietário nessas situações.

Casos como esse, entende-se que o bom senso é a melhor ferramenta para chegar a um acordo. Por isso, é importante sempre realizar o seguro residencial ou comercial para amenizar essas situações. Observar sempre o que o contrato dispõe sobre a obrigação da realização do seguro, pois caso não conste, ficará o proprietário obrigado a realizar, conforme consta no Art 22, inciso VIII da Lei 8.245.

Veja também: Reformei o imóvel alugado, devo pedir desconto no valor do aluguel?

Situações como essas citadas acimas são corriqueiras, muitas vezes complexas, e acabam com uma boa dor de cabeça. Por isso que a intermediação de uma imobiliária é de extrema importância. E geralmente, esses administradores terão uma resposta imediata ao problema. Dependendo do caso, encaminhará um profissional para orçar e levantar a causa do problema.

Percebendo que a situação danosa é causada por um problema estrutural ou decorrente de uso normal, a administradora/imobiliária entrará em contato com o proprietário para abater o valor do aluguel ou caso seja algo mais grave e custoso, solicitará que o proprietário execute a obra. Porém, caso esse administrador descubra que o dano ocorreu por mau uso, explicará tecnicamente para o inquilino que esse custo terá que ser arcado por ele e não pelo proprietário.

Quando não existe nessa relação à intermediação de uma imobiliária, muitas vezes uma das partes ou ambas, acaba tendo algum tipo de prejuízo, devido à lenta solução do problema ou pela interrupção da locação do imóvel, gerando um conflito gigantesco para ambas as partes.

Em situações em que as duas partes não se entendem é muito comum o inquilino abandonar o imóvel alugado sem aviso, deixando o prejuízo para o proprietário, pois além de perder a renda do aluguel, ficará com o dano no imóvel para solucionar e ainda terá que acionar judicialmente o locatário insatisfeito, tendo que levantar perícia, pagar custas do processo e honorários para o advogado. Será que vale a pena? Entende-se que não e um acordo é sempre a melhor solução.

Acesse o Portal de Imóveis de São Paulo - SP Imóvel e confira cerca de 20 mil imóveis para alugar em mais 1.200 imobiliárias parceiras que anunciam casas e apartamentos para venda e locação em todas as regiões de São Paulo, Grande ABC e no Litoral Paulista.

--------------------------------------

Lei do Inquilinato 8.245/91:

Artigo. 22. O locador é obrigado a:

IV - responder pelos vícios ou defeitos anteriores à locação;

VIII - pagar os impostos e taxas, e ainda o prêmio de seguro complementar contra fogo, que incidam ou venham a incidir sobre o imóvel, salvo disposição expressa em contrário no contrato;

Artigo. 23. O locatário é obrigado a:

III - restituir o imóvel, finda a locação, no estado em que o recebeu, salvo as deteriorações decorrentes do seu uso normal;

V - realizar a imediata reparação dos danos verificados no imóvel, ou nas suas instalações, provocadas por si, seus dependentes, familiares, visitantes ou prepostos;

Fonte:
SP Imóvel
O Portal de Imóvel em São Paulo de São Paulo
www.spimovel.com.br/
Equipe de Jornalismo
Grupo de Portais Imobiliários
SP Imóvel
< Post Anterior
Como funciona o consórcio de imóveis?
Próximo Post >
Por que comprar imóvel na Vila Mariana?