Mercado imobiliário
24.fev.2021
Tamanho da Fonte: A- | A | A+

Apartamentos em São Paulo ficaram 1,56% mais caros de 2020 para 2021

Veja a pesquisa completa

Imagem Apartamentos em São Paulo ficaram 1,56% mais caros de 2020 para 2021
Logo Copiar Blog Notícia

Um dos reflexos da pandemia são as dúvidas e incertezas da nossa economia. E muita gente tem se questionado como vai ficar o mercado imobiliário em 2021? Será que é o momento para comprar imóvel? Os imóveis vão ficar mais caros?


A adesão ao home office na quarentena e o longo período de isolamento social fez com que pessoas passassem a enxergar melhor o seu lar. E fez muitos repensarem o seu espaço do dia a dia para comportar toda a família, o trabalho remoto e o homeschooling. 


Mas será que essa valorização ao imóvel que a pandemia proporcionou fez ficar mais caro o valor do metro quadro dos imóveis em São Paulo?



De acordo com a pesquisa realizada pelo Grupo SP Imóvel em janeiro de 2021 com os 50 bairros mais pesquisados da Captial Paulista, o valor do metro quadrado dos apartamentos na cidade de São Paulo ficou 1,56% mais caro que em relação a janeiro de 2020, ou seja, subiu menos que a inflação de 2020 que foi de 4,52%. Veja na tabela abaixo:

Valor médio total do m² Apartamentos
de 50 a 60m² de 50 bairros de São Paulo 
Região Jan/2020 Jan/2021 Aumento %
Zona Norte R$ 7.215,63 R$ 7.333,75 1,64%
Zona Leste R$ 6.194,29 R$ 6.264,57 1,13%
Zona Oeste R$ 8.699,23 R$ 8.852,31 1,76%
Zona Sul R$ 8.830,00 R$ 8.979,38 1,69%
Total 1,56%
Fonte: Grupo SP Imóvel - Fevereiro de 2021


“Julgamos que o momento é excelente para aquisição do imóvel em São Paulo, pois houve aumento dos apartamentos e casas abaixo da inflação em 2020 e a tendência são os imóveis e os financiamentos ficarem mais caros a partir do segundo semestre, pois à medida que a economia do país começar a sentir os efeitos das dívidas públicas ocorridas na pandemia, às taxas de juros do crédito imobiliário tendem a subir gradativamente”, declara Marcel de Toledo, responsável pelo marketing digital e analista de mercado do Grupo SP Imóvel. 
 

Veja nos links abaixo o comparativo entre 2020 e 2021 dos valores do metro quadrado dos 50 bairros mais pesquisados à Venda divididos por zoneamento:
 
 
 
O Grupo SP Imóvel realizou  um levantamento estatístico e de acordo com os resultados é possível notar que houve um aumento de 56% nas buscas para compra de apartamentos entre 2020 contra 2019. Resultado esse, extremamente positivo para o setor. Veja o Print Abaixo.


 

Além das questões ligadas a pandemia em 2020, o principal motivo para esse crescimento é que a economia brasileira vem se ajustando e devido à queda da inflação ocorrida desde 2019, propiciou uma taxa de juros dos financiamentos imobiliários abaixo da média nas últimas décadas. 


Os bancos também criaram novos índices para correção das taxas de juros do financiamento imobiliário, como a Poupança, IPCA, Taxa Fixa, dentre outras.  – Leia a matéria completa clicando aqui.


“Outros fatores que indicam um bom momento para comprar o imóvel nesse primeiro semestre de 2021 é que haverá a partir do segundo semestre a diminuição dos estoques das ofertas de apartamentos, além do aumento gradativo do INCC (índice Nacional do Custo da Construção) que chegou em 9,37% no acumulado de 12 meses (janeiro de 2021) que forçará o aumento automático dos preços”, comenta o analista de mercado. 


Portanto, o mercado imobiliário projeta um cenário favorável para 2021, principalmente para o primeiro semestre, com taxas de juros baixas e excelentes oportunidades. “Nós acreditamos que não haverá aquele `boom imobiliário´ ocorrido em meados de 2006 até 2010, aonde os preços dispararam em função da grande demanda de compra de imóveis ocorrida na época, mas os preços dos imóveis e os juros do financiamento tendem a subir gradativamente”, finaliza Toledo.
Fonte:
SP Imóvel
O Portal de Imóvel em São Paulo de São Paulo
www.spimovel.com.br/
Equipe de Jornalismo
Grupo de Portais Imobiliários
SP Imóvel
< Post Anterior
Caixa lança linha de crédito corrigida pela Poupança
Próximo Post >
O valor do metro quadrado das casas na Zona Oeste ficou mais caro?